Newsletter

Assine abaixo para receber as últimas novidades do blog no seu e-mail!


11 de julho de 2018

Suíça lança “Histórias de Verão”

Experiências criadas especialmente para o verão suíço ganham destaque nessa temporada.

Em 2017, exploramos a Suíça e visitamos algumas de suas principais cidades, como Genebra, Zurique e Basileia, como também cidadezinhas e vilarejos românticos dignos de contos de fadas, como Engelberg e La Gruyère. Com a chegada da estação do verão, o país se transforma e fica ainda mais encantador. Surgem novas experiências, como esta que nos foi enviada recentemente pelo Switzerland Tourism. Uma combinação de colinas, queijos e biscoitos centenários em grandes altitudes, compostas pela bela paisagem alpina e trilhas imperdíveis, com desafios até para os ciclistas mais experientes.

Pedalando pelo Vale Emmenthal

O nome Emmental vem do vale do rio Emme, na região de Berna. A região é famosa pelos saborosos queijos e proporciona uma experiencia nova criada em parceria com a centenária marca de biscoitos do vale – Kambly, que mesmo após muitos anos, possui acordos com os agricultores locais selados com um simples aperto de mão até os dias de hoje. A marca é responsável por mais de 100 variedades de biscoitos.

Na experiência “Aventura Kambly” o viajante pode seguir com uma bicicleta comum ou elétrica e passar por paisagens marcadas por colinas no Vale do Emmental, proporcionando vistas deslumbrantes das montanhas e do vale.

São 14 estações. Para ajudar os aventureiros, foi desenvolvido o aplicativo “Kambly Experience Tour” com informações interessantes sobre o mundo dos produtores locais, responsáveis pela matéria-prima do famoso biscoito.

Casal em frente a uma tradicional fazenda em Emmenthal. Foto: Switzerland Tourism/Andre Meier

Do agricultor, você fica sabendo como é feita a lavoura. O moleiro conta histórias do seu cotidiano de trabalho e da parceria baseada na confiança que existe há mais de 100 anos com a Kambly, da qual é fornecedor da farinha utilizada na confecção dos biscoitos Bretzeli e dos Sablés, especialidades da empresa. O produtor de leite dá informações sobre a vida rural acima de 1.000 metros de altitude. Posteriormente o leite é transformado em manteiga na fábrica de laticínios Götschi, em Trubschachen. É evidente a atenção amorosa aos detalhes ao longo do caminho: o produtor de queijo Martin Götschi habilmente coloca a manteiga em pequenos moldes de madeira e ao fazê-lo, ele diz, com uma piscadela: “A propósito, você sabe, todos nós nos preocupamos com a manteiga que vendemos nas lojas.”

Vista de cima de Trubschachen. Foto: Switzerland Tourism/Andre Meier

A trilha de 30 quilômetros com duração média de duas horas e meia tem uma parada em  Kambly Erlebnis, que dispõe de interações dentro da fábrica com exposições multimídia, onde também é possível acompanhar o os mestres trabalhando e se impressionar com a arte da confeitaria fina. Já no Kambly Café é possível descansar da pedalada e saborear os deliciosos biscoitos. A proposta é repor a energia gasta com as pedaladas feitas durante o “Tour Kambly” e se preparar para a próxima descoberta na Suíça.

Aventura começa e termina em Langnau
Distância percorrida: 30 quilômetros
Nível de resistência: Médio
Altitude: +750 – 750
Como chegar: Trem Kambly. Diariamente, de hora em hora, a linha BLS liga Berna e Lucerna a Trubschachen. De terça-feira a domingo, o mesmo trem leva os visitantes diretamente até o mundo de aventuras.
Mais informações sobre o tour:
https://www.myswitzerland.com/pt/quase-como-antigamente.html

O desafio de Gotthard através de picos lendários

Para aqueles muito mais familiarizados com a bicicleta, o ex-ciclista profissional Bruno Risi compartilha uma rota composta por conquistas e passagens alpinas que circundam o maciço de São Gotardo.

Risi sugere um café antes de começar a pedalar os 106 quilômetros oferecidos nessa rota composta por três passos de montanha: Furka, Nufenen e Gotardo, um passeio sinuoso por três cantões suíços, com altitudes de 3.100 metros. Para seguir a escalada, o ciclista reforça “nunca perca a esperança e nunca diminua a velocidade”.  Risi é uma lenda do ciclismo suíço com muitos prêmios.

Passando por primitivas paisagens rochosas, pontes de pedra, santuários e fortalezas à beira da estrada, trens atravessam a estrada para compor o visual que mais se parece um cartão postal.

Ciclismo de estrada na lendária Tremola sobre o Passo do Gotardo. Foto: Switzerland Tourism/Ivo Scholz

Atravessar passos de montanha tem uma longa história. O Passo de São Gotardo – ou somente Gotardo, ligava o norte da Europa ao sul da Europa, o de Oberalp levava a leste e o passo de Furka a oeste. Com isso, o Gotardo evoluiu para uma maneira importante de cruzar os Alpes, já que os viajantes só tinham um caminho para atravessar. O Gotardo é um testemunho impressionante de uma obra-prima de engenharia de uma idade que já passou há muito tempo.

Furka, Nufenen e Gotardo: essa turnê com seus três passos de montanha míticos que aparecem regularmente no programa Tour de Suisse é um dos clássicos alpinos absolutos. Embora tenha apenas 106 km de comprimento, não deve ser subestimado: a subida de 40 km faz com que seja um verdadeiro desafio.

De Airolo, a histórica Passtrasse. Foto: Switzerland Tourism/Ivo Scholz

“A luta para fazer a ascensão, a grande sensação que você tem quando alcança o topo de uma montanha e a satisfação que sente depois de uma viagem de ida e volta” comenta Risi após a aventura e o prazer de se aventurar com a bike.

Como fazer o tour: Começando em Andermatt, no cantão de Uri, o primeiro passo é o Furka: 11 km de escalada para chegar ao topo em altitude de 2436 metros. Você entra no Cantão do Valais para a longa descida até Gletsch, seguida por Ulrichen no vale do Alto Ródano, conhecido localmente como Goms.

Lembre-se de levar comida e bebida a bordo, já que você está prestes a fazer a subida para o desfiladeiro de Nufenen (alt. 2478m) após 13 km de escalada pontuada por longas retas com mais de 10% de declividade. Com a segunda estrada de passo mais alta da Suíça, o Nufenen é um desafio por si só.

A cimeira marca a porta de entrada para outro dos cantões da Suíça: o Ticino. Segue-se agora uma descida maravilhosa e prolongada para o Airolo de língua italiana, onde a terceira e última ascensão do dia começa no Gotardo, numa altitude de 2.091 metros. No quarto túnel rodoviário mais longo do mundo, ciclistas escalam a antiga estrada, chamada de Tremola. Exclusivamente para os Alpes, as suas 24 curvas superiores apresentam paralelepípedos. O suficiente para fazer você esquecer os 3000 metros de diferença de altitude que está escalando hoje.

Uma vez no topo, Andermatt não está mais do que alguns quilômetros adiante (e abaixo!). Tempo para um descanso merecido nesta aldeia por excelência no coração dos Alpes suíços.

Aventura começa e termina em Andermatt
Distância percorrida: 106 quilômetros
Nível de dificuldade: Alto
Altitude: +3090 – 3090
Mais informações sobre o tour:
https://www.myswitzerland.com/pt/encontro-de-lendas.html

Conhecendo os parques suíços de bicicleta

Uma sugestão é deslumbrar-se pelos parques suíços com uma bicicleta elétrica ou, aos mais preparados, uma bicicleta comum. O passeio pela Route Verte possui sete etapas e o ciclista pode escolher qualquer momento para fazer uma pausa ou finalizar o trajeto. A proposta completa é seguir de Schaffhausen até Genebra, através de todos os seis parques naturais regionais do Arco do Jura. De leste para oeste, sempre ao longo da cadeia de montanhas em forma de arco. O trajeto passa por vitivinicultores e suas uvas, através de locais quase desconhecidos, até fazendeiros em seus cavalos e por luthiers com seus abetos sonoros de 350 anos – uma viagem através das paisagens vivas dos parques.

Cachoeira sobre o Rhine cai perto de Schaffhausen

No parque natural regional de Schaffhausen encontra-se um mar de vinhedos. Aproximadamente 200 vitivinicultores produzem nessa região sendo, o maior conjunto de vinhedos da Suíça alemã. Na vinícola Aagne, é possível iniciar as degustações das maravilhas produzidas na região.

A viagem continua pela Route Verte até as cerejeiras e árvores de tronco alto no parque do Jura, em Aargau. Dali, se chega em uma etapa às florestas diversificadas do parque natural de Thal, que são uma fonte de revitalização e fornecem recursos para o setor energético e de construção. O trajeto leva por estradas largas e pouco transitadas, passando pelos imponentes paredões rochosos de Solothurn, e St-Ursanne, uma cidadezinha da Idade Média no parque natural de Doubs. A seguir, vem a subida para o encantador planalto das montanhas livres, as “Freiberge”, que também é a região onde vêm os Freibergers, a única raça de cavalos originariamente suíça.

A viagem segue pelo parque natural de Chasseral ao longo de muros de pedra seca e de La Chaux-de-Fonds, cidade patrimônio mundial da UNESCO. A seguir, o trajeto atravessa o idílico Val des Travers, conhecido pelo seu absinto e suas minas de asfalto. Dali, se vai para o Vallée de Joux, o vale dos relojoeiros, no parque natural de Jura Vaudois.

Parque Natural Regional Schaffhausen

No movimentado vilarejo de Le Brassus, os fundadores da JMC Lutherie constroem há 12 anos violões e caixas de alto-falantes de abetos sonoros de 350 anos da floresta de Risoud, levados pelo amor que sentem pela natureza, a música e a liberdade. O bosque de Risoud é a maior floresta conglomerada da Europa, conhecida pela boa qualidade da sua madeira. “Aqui, procuramos os abetos sonoros perfeitos para os nossos instrumentos”, diz Céline, fundadora da empresa. Neste caso, todos os detalhes são importantes: tronco reto, casca bela e sem ferimentos, bem como galhos não muito baixos. “Somente uma árvore em 10.000 é adequada para o que queremos.”

A sétima e última etapa leva os aventureiros ao “Combe des Amburnex”, o ponto mais alto da Route Verte. A 1.351 metros, os muros de pedra seca típicos acompanham novamente o caminho, onde gramados amplos e florestas densas se alternam uma última vez em forma de mosaico. Após algumas curvas, abre-se uma vista fantástica para a região de vinhos “La Côte” e o Lago Léman, também conhecido como Lago de Genebra, que sobressai brilhando azul atrás das últimas copas de pinheiros. A partir desse ponto, é possível seguir confortavelmente montanha abaixo até a cidade de Genebra, seguindo ainda pelo Arco do Jura.

A aventura começa em Schaffnausen e termina em Genebra
Distância percorrida: 470 quilômetros
Resistência física: leve-médio
Altitude: +7949 -7984
Dicas: 
7 etapas de um dia
6 parques naturais regionais
Aluguel de bicicletas ao longo do trajeto
Possibilidade de transporte de bagagens
Mais informações sobre o tour:
https://www.myswitzerland.com/pt/la-route-verte-tesouros-do-arco-do-jura.html
Fotos e texto: Switzerland Tourism, órgão oficial de turismo do destino.
Julho 2018 
Veja toda a série do Viagem Sem Bagagem na Suíça
Engelberg |Friburgo | Genebra Gruyères | Gstaad | Lucerna Lugano | Montreux| Vevey | Zermatt | Zurique | Basiléia



Comente pelo Facebook

Ou comente por aqui:

Confira aqui as postagens mais lidas!

Viagem Sem Bagagem • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPress Desenvolvido por

Siga o instagram ×
Visitar @viagemsembagagem