Newsletter

Assine abaixo para receber as últimas novidades do blog no seu e-mail!


04 de Abril de 2018

O QUE FAZER EM CHAMONIX: O VALE DOS SONHOS NOS ALPES FRANCESES

Situada no vale do Mont Blanc, a legendária Chamonix abriga uma das mais famosas estações de esqui da Europa, construções charmosas e vistas deslumbrantes para o Mont Blanc.

Bem-vindos à idílica Chamonix, um paraíso alpino com paisagens deslumbrantes, que parecem saídas de um conto de fadas. Principal cidade da região do Mont Blanc – cujo vale também compreende os vilarejos de Servoz, Les Houches, Argentière e Vallorcine – Chamonix está a 1.035 metros de altitude, aos pés da montanha mais alta da Europa, o Mont Blanc. Sede da primeira edição dos Jogos Olímpicos de Inverno, em 1924, o destino orgulha-se da natureza exuberante, 430 km de trilhas para caminhada, 27 pistas de esqui acima de 2 mil metros de altitude e um teleférico que leva os turistas ao fascinante topo do Aiguille du Midi. Percorrer sua charmosas ruas é estar sempre em companhia das mais altas montanhas, cujo Mont Blanc revela a natureza em todo seu esplendor. Confira a seguir nosso roteiro do que fazer em Chamonix, uma das mais glamourosas estações de esqui da França.

Numa manhã de outono no centrinho de Chamonix, vista estonteante para o pico do Mont Blanc.

O centrinho de Chamonix

Para quem não pretende esquiar ou para quem curte um “après-ski”, Chamonix reserva ruas charmosas repletas de construções bem preservadas, atmosfera descontraída e temperaturas que são um convite a uma refeição na calçada, onde as montanhas estão sempre a vista. A pequena cidade, espremida num longilíneo vale cercado por montanhas, possui uma diversidade de estilos arquitetônicos, muitas delas do período da conquista do Mont Blanc, em 1786.

Chamonix do alto. Situada num vale, espremida por montanhas e com vegetação exuberante.

Na caminhada pelas sossegadas ruas, é possível encontrar construções centenárias, como a Igreja de Saint-Michel, construída em 1709. Também na mesma praça, fica o sede do Escritório do Turismo de Chamonix, cuja visita recomendo fortemente. Lá você tem acesso a mapas, descontos e sugestões para os principais passeios na região.

Igreja de Saint-Michel – construída em 1709

O Escritório do Turismo de Chamonix

Situado onde antes funcionava o Chamonix Palace, um dos primeiros palácios erguidos em Chamonix no início do século XX, o Museu Alpino chama a atenção pela arquitetura imponente e pela extensa coleção de fotografias, pinturas, mapas de relevo e objetos antigos produzidos entre os séculos XVIII e XX. A entrada custa 5,90 Euros. Site: www.chamonix.com/alpine-museum

O programa em Chamonix também inclui boas experiências gastronômicas, com pratos que abusam de batatas, queijos e carnes secas – ingredientes produzidos localmente. O Tartiflette é o prato mais representativo e pode ser facilmente encontrado em vários restaurantes da região. Outra boa dica é se perder nos charmosos cafés e pâtisseries, onde come-se torta de mirtilos, baguete e um bom espresso por 4,00 Euros.

Aiguille du Midi

A subida para o Aiguille du Midi é um dos passeios obrigatórios para quem visita a região do vale de Chamonix. Toda a estrutura construída no topo da montanha, a 3.842 metros, confere aos visitantes o melhor ponto de observação do Mont Blanc, além de vistas panorâmicas de tirar o fôlego dos Alpes (franceses, suíços e italianos) e dos glaciares (geleiras). A estação do teleférico, localizada a uma curta caminhada do centrinho do vilarejo, leva os turistas em vinte minutos ao cume do Aiguille. O bondinho ainda presenteia os viajantes com uma parada intermediária entre as paisagens deslumbrantes em Plan de l’Aiguille. Lá no topo, a estrutura projetada no maciço rochoso abriga diversos pontos de observação, terraços, passarelas e restaurantes. Mas o grande destaque fica por conta do “Step into the Void”, a cabine de vidro que se projeta para fora da montanha e que faz com tenhamos a sensação de pisar no vazio.

Na estação intermediária em Plan de l’Aiguille, vista do teleférico a caminho do topo do Aiguille du Midi.

Montenvers e o Mer de Glace

O trem para Montevers e a descida para o Mar de Gelo (Mer de Glace) são outras duas atrações imperdíveis no vale do Mont Blanc e que podem ser feitas durante o mesmo passeio. O trem vermelho parte da estação ferroviária no centrinho de Chamonix, sobe lentamente a montanha e chega a estação de Montenvers, a 1.913 metros. A subida – que já é um espetáculo à parte – oferece vistas maravilhosas dos vilarejos comprimidos pelas montanhas. Já em Montenvers, é possível alcançar os terraços panorâmicos ou seguir, ladeira abaixo, as diversas trilhas de montanha, um dos esportes prediletos nos Alpes franceses. A outra boa dica é pegar as gôndolas teleféricas que levam até o Mar de Gelo. Para isso ainda é preciso percorrer um grande lance de escadas (420 degraus) até o interior do glaciar.

Em Montevers, vista do Mar de Glace a partir dos terraços panorâmicos

Saiba mais sobre Chamonix Mont Blanc

O vale de Chamonix Mont-Blanc é formado por cinco diferentes vilarejos: Servoz, Argentière, Les Houches, Vallorcine e a própria Chamonix. Está situado na região noroeste dos Alpes, apenas 15 km da fronteira com a Suíça e 15 km da Itália, se for por meio do Túnel do Mont-Blanc.  As altitudes do vale de Chamonix variam de 758 m a 4.810 metros de altura e sua população total é de apenas 13.816 habitantes. As temperaturas mais baixas são nos meses de dezembro a março, com a média entre -8°C a +7°C. Já as temperaturas mais altas são nos meses de junho a setembro, com temperaturas médias de +6°C a 24°C.

Onde se hospedar em Chamonix-Mont-Blanc

No vale de Chamonix-Mont-Blanc, ficamos hospedados no novíssimo RockyPop Hotel. Um hotel design, localizado em Les Houches e distante apenas 5 km do centrinho de Chamonix. São 148 quartos distribuídos num edifício em estilo chalé alpino, fachada com letreiro de cinema e interior contemporâneo. 

Sobre o transporte público gratuito em Chamonix-Mont-Blanc 

Carte d’Hôte Pass  é um cartão que todos os visitantes recebem ao se hospedar num hotel do vale de  Chamonix-Mont-Blanc. Com ele, todo o transporte público na região formada por Servoz, Les Houches, Chamonix, Argentière e Vallorcine será gratuito durante o período da estadia. Não esqueça de pedi-lo no ato do check-in. Além do transporte público, o cartão oferece acesso a esportes públicos e algumas atrações artísticas.

Sobre a viagem a Chamonix-Mont-Blanc

Veron Campos viajou a convite do escritório oficial do turismo do vale de Chamonix-Mont-Blanc. Do Brasil, o autor viajou até Frankfurt, com a Condor Airlines, e conexão para Genebra com a Lufthansa. 

Site do órgão oficial do destino: www.chamonix.com




Comente pelo Facebook

Ou comente por aqui:

Confira aqui as postagens mais lidas!

Viagem Sem Bagagem • todos os direitos reservados © 2018 • powered by WordPress Desenvolvido por