Newsletter

Assine abaixo para receber as últimas novidades do blog no seu e-mail!


18 de Março de 2018

O QUE FAZER EM ZURIQUE, SUÍÇA

A cidade de Zurique circundada pelo lago homônimo é cheia de surpresas. De um lado, a histórica parte antiga; do outro, o lado moderninho de Zurique West. Confira o que fizemos durante dois dias na maior cidade Suíça.

Ao viajante que chega a Zurique pela primeira vez, a cidade surpreende e revela-se cheia de contrastes. De um lado (leste), a parte antiga repleta de construções históricas seculares e muito bem preservadas (até parece que foram construídas “ontem”); do outro (oeste), o distrito industrial, moderno e revitalizado, com edifícios de arquitetura contemporânea, em forma de cubos. Embora seja a maior cidade e mais importante centro financeiro do país, ostenta excelente qualidade de vida, natureza exuberante, atmosfera cosmopolita e paisagens que encantam os visitantes.

A chegada na sua principal estação de trens na Bahnhofplatz, impressiona pelo tamanho da construção histórica (é a maior estação de trens da Suíça) e pelo burburinho de milhares de passageiros ávidos por embarcar em uma de suas várias conexões de trem para diversas cidades europeias. E mesmo estando situada em segundo lugar no ranking das cidades mais caras do mundo, onde um simples hot-dog ultrapassa facilmente 5,50 francos-suíços, Zurique conquista pela maravilhoso skyline formado pelo límpido Rio Limmat, as joias arquitetônicas que remontam ao período da Reforma Protestante e seu lago de águas translúcidas repleto de cisnes.

O roteiro a seguir foi feito durante os dois dias em que estivemos hospedados no 25hours Hotel Zurich Langstrasse e pode ser facilmente explorado a pé. Muitas das sugestões do itinerário foram recomendadas pela equipe do Zurich Tourism, órgão oficial do destino. Aproveitem!

Zurique deve ser descoberta a pé. Na foto, as imponentes torres do Mosteiro de Grossmünster e a Ponte Münsterbrücke.

Bahnhofstrasse

Bahnhofstrasse é a principal e mais famosa rua de compras de toda Suíça. Quase um shopping a céu aberto, foi criada após a construção da estação de trem de Zurique. Hoje, seus 1,4 km de extensão – que vai da estação de trem até o Lago de Zurique – abriga lojas de luxo acessíveis para poucos, como Cartier e Louis Vuitton, mas há também lojas com preços mais terrestres, como Coop City, Manor, Globus e H&M. Além da lojas, há galerias de arte, cafés e boas opções gastronômicas, como os restaurantes Zeughauskeller (especialidades suíças) e Restaurant Bärengasse (brasserie com carnes e vinhos). Pare no pequeno Parque Pestalozzianlage, em homenagem a Johann Heinrich Pestalozzi (em frente a loja de departamentos Globus), sente no gramado, coma o “hot dog” (um dos mais caros do mundo) e aprecie o lado vibrante de Zurique.

Lago de Zurique 

Uma característica comum às principais cidades turísticas da Suíça é a presença de um lago. E em Zurique não poderia ser diferente. Maior de toda a região com 88 km², o Lago de Zurique tem os mesmos clichês: margens ocupadas por construções históricas e águas cristalinas repletas de bandos de cisnes brancos. Durante o verão, são a praia dos suíços e um convite para um bom mergulho, embora as águas sejam geladas. Outra boa forma de aproveitá-lo é através dos passeios de barco feitos com a Companhia de Navegação do Lago Zurique. Com o Swiss Travel Pass o passeio custa a partir de 5 francos-suíços.

O terraço panorâmico Bürkliterrasse

Percorrer Zurique a pé da Bahnhofstrasse até as margens do lago será muito prazeroso, especialmente quando você se deparar com o terraço panorâmico Bürkliterrasse. Aberto em 1887, o parque se estende em volta do lago e oferece uma das melhores vistas de Zurique. Da mitológica escultura Ganymed, que está ali adornando o lago desde 1952, é possível até avistar os Alpes. Em frente ao parque também está o pier de onde partem os passeios de barco.

Grossmünster 

Um dos mais famosos monumentos de Zurique, a Igreja de Grossmünster começou a ser construída por volta do ano de 1100 e foi inaugurada em meados de 1220. As duas torres em estilo romanesco dominam a parte histórica da cidade. Reza a lenda que as torres foram construídas no local onde foram encontrados os túmulos dos santos da cidade, Felix e Regula. Do alto da torre, de 187 degraus, é possível ter uma vista panorâmica da cidade, que se estende do Rio Limmat até Zurique Oeste. Preço: 7,00 francos-suíços.

Igrejas de São Pedro (St. Peter’s Church) e Fraumünster

As igrejas de St. Peter e de Fraumünster margeiam o Rio Limmat e são importantes símbolos de Zurique. Na Igreja de St. Peter – cujo relógio é o maior da Europa – as paredes das suas fundações originais remontam ao século 9. É a igreja paroquial mais antiga de Zurique. Já a Fraumünster já funcionou com um convento e abriga obras dos artistas Marc Chagall. Do pátio da Igreja de Grossmünster (na outra margem do rio), é possível ter uma das melhores visões do skyline da cidade com as duas igrejas.

Museu Nacional de Zurique (Landesmuseum)

O Museu Nacional Suíço, inaugurado em 1898, funciona num castelo de mais de 100 anos, no centro de Zurique e próximo a estação central de trens. Mais conhecido pelo nome em alemão, Landesmuseum, possui a maior coleção do país e expõe milhares de objetos desde a pré-história até à época contemporânea. A imponente construção – que um verdadeiro oásis no centro da cidade – também abriga bar, boutique, bistrô e restaurante. A entrada custa 10,00 francos-suíços, mas pode ser grátis com o Zurich Card. Site: www.nationalmuseum.ch

Zurich West

O lado oeste de Zurique abriga a parte mais moderna e efervescente da cidade. A arquitetura contemporânea e os muitos guindastes sinalizam que aqui nasce uma nova Zurique, bem diferente da parte medieval. Na Europaallee, região moderninha, ao lado dos trilhos da estação ferroviária, pululam bares, escritórios, restaurantes e lojinhas hipster. Também vale a pena passar no complexo Viadukt, no distrito industrial, que virou uma área alternativa e descolada.    

Zurique oeste e o revitalizado distrito industrial

Outras atrações de Zurique:

Além das atrações que visitamos, há muito mais o que explorar em Zurique, como: o Botanischer Garten, Kunsthaus (maior galeria de arte do país), Museu da FIFA (FIFA World Football Museum), o Museu Rietberg e o Zoológico de Zurique (um dos melhores do mundo).

Onde se hospedar em Zurique – Suíça

Em Zurique, nos hospedamos no 25hours Hotel Zurich Langstrasse, um hotel design com atmosfera descolada, quartos luxuosos e hospedagem de alta qualidade da renomada rede alemã 25hours Hotels (veja aqui).

Sobre o Zurich Card

Durante nossa passagem por Zurique, usamos o Zurich Card, que oferece os seguintes benefícios pelo período de 24 ou 72 horas: viagens ilimitadas na segunda classe em todo o transporte público de Zurique e região (incluindo trem, ônibus, tram e teleféricos); pequenos passeios no Rio Limmat; entrada grátis ou reduzida em 41 museus; 50% de desconto no tour guiado pela cidade histórica e muitas outras experiências. Custa a partir de 27,00 francos-suíços.

Sobre a viagem a Zurique

Veron Campos ficou hospedado no 25hours Langstrasse a convite da 25hours Hotel Company. No destino, contou com o apoio do Zürich Tourismus, o órgão oficial do turismo de Zurique. Do Brasil, o autor viajou até Frankfurt, com a Condor Airlines, e conexão para Genebra com a Lufthansa. 

Site do órgão oficial do destino: www.zuerich.com

 

Distâncias de trem a partir de Zurique

Berna (capital da Suíça):  1 h 20 min

Zurique: 2 h 40 min

Genebra: 2 h 30 min

Milão (Itália): 3 h 30 min

Paris (França): 3 h

Frankfurt (Alemanha): 4 h

Veja toda a série do Viagem Sem Bagagem na Suíça

Engelber-Titlis | Friburgo | Genebra | Gruyères | Gstaad | Lucerna | Lugano | Montreux | Vevey | Zermatt | Zurique | Basiléia




Comente pelo Facebook

Ou comente por aqui:

Confira aqui as postagens mais lidas!

Viagem Sem Bagagem • todos os direitos reservados © 2018 • powered by WordPress Desenvolvido por